Voltar

Artigos: Habilidade de compreensão auditiva

Os bebês desenvolvem sua capacidade de compreensão auditiva enquanto ainda estão no útero. Depois do nascimento, eles são bombardeados por estímulos auditivos (conversas, canções, barulho, entre outros).  Muitos deles adquirem experiência como ouvintes mediante a “participação” em “conversas” com seus pais, visto que estão expostos a inúmeras situações nas quais os pais desempenham os papeis de falante e ouvinte. Sendo assim, eles absorvem diversas “regras” para desenvolver suas habilidades de ouvir e falar (ex. Troca de turno).

Como o período silencioso (quando eles estão expostos à língua, porém não se espera que ocorra uma tentativa de produção da língua similar a do adulto como resposta ao (input) que lhe foi dirigido) é fundamental para a aquisição de língua, os professores devem oferecer aos alunos diversas atividades de compreensão auditiva para expô-los à língua-alvo e seus padrões de pronúncia, ritmo e acentuação tônica.

Ao fazer atividades de compreensão auditiva, os professores devem considerar três estágios:

  1. Pre-listening – O objetivo é contextualizar e ativar o esquema do aluno (conhecimento prévio sobre temas/situações/etc.); ensinar previamente  itens lexicais (até 5 no máximo) que possam dificultar a comunicação; trabalhar a pronúncia de itens lexicais que possa ser um obstáculo  à compreensão;
  2. While-listening – O objetivo é oferecer aos alunos um motivo para se ouvir o diálogo/canção/etc.
    Lembre-se que para completar as tarefas os alunos precisam saber o que eles devem fazer. Desta forma, dê aos alunos instruções claras, verifique-as e modele a primeira atividade, se possível;
  3. Post-listening – Tem com objetivo oferecer aos alunos oportunidades para expandir o tópico e produzir a língua-alvo.
    Como os alunos ainda não desenvolveram um nível de língua suficiente, haverá ocasiões em que as atividades de post-listening não serão desenvolvidas. No entanto, o professor deve adaptar a lição e pedir aos alunos, por exemplo, para fazerem um diálogo similar usando seus próprios dados.